Covid-19: Contágio, consequências pulmonares e atuação do fisioterapeuta na prevenção e tratamento

Covid-19: Contágio, consequências pulmonares e atuação do fisioterapeuta na  prevenção e tratamento

[vc_row][vc_column][vc_column_text]A Rede UniFTC não para de movimentar conhecimento. Na última quinta-feira, 14, mais uma transmissão ao vivo do programa “Todo Dia é Dia de Live” foi realizada com sucesso. O tema discutido foi “Contágio da Covid-19, consequências pulmonares e atuação do fisioterapeuta na prevenção e tratamento”. A live foi mediada pelo coordenador do Programa de Inovação da UniFTC, Fabrício Oliveira, e a pauta esclarecida pelo fisioterapeuta, professor e coordenador do curso de Fisioterapia da Faculdade UniFTC de Juazeiro, Hugo Cavalcanti.

Inicialmente o professor explicou sobre as formas principais de contágio do novo coronavírus. As pesquisas acerca da doença estão em andamento, mas a disseminação de pessoa para pessoa está ocorrendo através de gotículas de saliva, espirro, tosse, contato pessoal, aperto de mão, toque na boca, nariz ou olhos com mãos infectadas após contato em objetos contaminados, etc. “Quando a Organização Mundial de Saúde (OMS) indica o distanciamento social tem uma justificativa. Estas gotículas podem cair em até 2 metros de distância. É recomendado ainda que todos usem máscaras para minimizar a distância exigida pelos órgãos de saúde”, explica Hugo Cavalcanti.

Embora a doença ainda seja um mistério, entende-se que o pulmão é um dos órgãos fortemente afetados, segundo médicos e pesquisadores. “A Covid-19 atinge o interior do pulmão, onde temos trocas de gases. Nesta camada superficial interna do pulmão existem células que recobrem as mucosas respiratórias. Estas células possuem uma enzima conversora da angiotensina – ECA, que facilita a entrada do vírus”, informou o especialista. 

A alteração pulmonar é mais elevada em pessoas com doenças pulmonares crônicas, hipertensas, diabéticas, dentre outras. “O vírus responsável pela produção desta enzima é maior nestas pessoas classificadas como grupo de risco. O paciente pode apresentar insuficiência respiratória porque o vírus destrói a camada de proteção do pulmão, além de acometer outros órgãos, como baço e intestino, causando diarreia. Pode também atingir os vasos sanguíneos, gerando Acidente Vascular Cerebral (AVC)”, completou o fisioterapeuta. 

A Fisioterapia ocupa um importante papel para atenuar os sintomas da doença, bem como na prevenção e tratamento, esclarece Hugo Cavalcanti. O profissional está na linha de frente na recuperação dos pacientes infectados com a doença, desde a atenção básica até a urgência, prestando assistência também em pacientes graves. “O fisioterapeuta oferece orientações básicas sobre os cuidados principais para prevenir a contaminação, além de auxiliar nas técnicas respiratórias para melhorar a capacidade do pulmão, o movimento articular e a força muscular. Com os pacientes hospitalizados, o profissional ajuda com exercícios, já que a imobilidade do corpo pode causar redução da massa muscular.”, frisou o especialista.

 

Todo dia é dia de live na UniFTC
A transmissão online feita pelo professor André de Jesus faz parte da programação de lives que estão sendo oferecidas diariamente pela Rede UniFTC. Através do projeto Todo Dia é Dia de Live, a instituição está trazendo docentes de todas as áreas para abordar temas relativos à pandemia a partir de perspectivas diversas.

As lives acontecem de segunda à sexta-feira, exceto nos feriados, na página oficial da instituição no Instagram – @uniftc. Confira a programação completa do mês de maio e se programe!

 

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]